A vitória sobre a Finlândia carimbava o apuramento direto para o Europeu’2022, mas o último minuto dos descontos foi fatal para Portugal (0-1), que sofreu o golo da derrota aos 90’+3′, por Sallstrom. Inglório para as cores lusas, mas que mantém intacta a esperança na qualificação, até porque a equipa das Quinas já tinha garantido o play-off, em abril. As contas do Grupo E ditam o primeiro lugar para a Finlândia – e apuramento – ao qual Portugal já não pode chegar.

Portugal só pode pensar em ser um dos três melhores segundos classificados, vencendo a Escócia, na terça-feira, mas necessitará de um resultado expressivo para a meta de apuramento direto.

A jogar em casa e com uma temperatura a rondar os 7 graus negativos, a Finlândia entrou com maior ímpeto, mas Portugal acabou por controlar as operações, assente em 4x3x3, com Andreia Norton como falso nove e Ana Borges e Diana Silva sobre os corredores. Com a capitã Cláudia Neto em evidência no meio-campo, numa missão mais ofensiva e Dolores mais recuada, aos 36′ surgiu a melhor chance com Andreia Norton a desmarcar Diana Silva que atirou ao lado. Aos 38′,
foi Franssi quem disparou forte, mas por cima da baliza à guarda de Patrícia Morais.

Na segunda metade, a Finlândia voltou a entrar melhor e aos 57′, após canto, Patrícia Morais evitou o golo de Kuikka, que cabeceou para a baliza.

Francisco Neto retirou Mónica Mendes aos 68′ e promoveu o regresso a jogos oficiais de Jéssica Silva, quase um ano depois, após grave lesão e a mudança surtiu efeito. Com Ana Borges a lateral e acutilante no corredor, como é seu timbre, quando joga mais recuada, Portugal melhorou e aos 74′, após iniciativa de Jéssica, Kolvisto quase faz autogolo, ao efetuar um corte.

Patrícia Morais fez um par de belas defesas, mas não foi capaz de deter o remate de Sallstrom já ao cair do pano. Foto: Filipe Amorim / Lado F

Todavia, a reta final revelou ocasiões para ambos os lados e a Finlândia dispôs de dois remate que podiam ter dado golo. Aos 78′, Sallstrom, sem oposição, cabeceou ao lado e a seguir Patrícia Morais negou o tento a Oling. Três minutos volvidos, foi Diana Silva quem atirou para defesa de Korpela. E mesmo antes do apito final, veio o balde de água gelada, com o golo de Salsstrom.

Na terça-feira, Portugal fecha a qualificação com a Escócia, que venceu Chipre por 10-0, esta sexta-feira.

Ficha de jogo:

Helsinki Football Stadium

Korpela; Hyyrynen, Westerlund, Kulkka e Kolvisto; Alanen e Summanen; Engman (Collin 85′), Franssi e Oling (Rantanen 80′); Sallstrom

Treinadora: Anna Signeul

Patrícia Morais; Mónica Mendes (Jéssica Silva 68′), Carole Costa, Sílvia Rebelo e Joana Marchão; Dolores Silva, Tatiana Pinto e Cláudia Neto; Ana Borges, Diana Silva e Andreia Norton (Fátima Pinto 80′)

Treinador: Francisco Neto

Amarelos: Diana Silva 43′, Summanen 48′, Koivisto 69′

Árbitra: Kateryna Monzul (Ucrânia)

Deixe um comentário!