“Devemos estar orgulhosos da minha equipa e das equipas portuguesas”

Mariana Filipa não revalidou o título de campeã da Euro Winners Cup, mas faz balanço positivo

Em 2020, Mariana Filipa ergueu o troféu de vencedora da Euro Winners Cup e fê-lo sozinha no areal da Nazaré, dado que a sua equipa – Mryia – estava a caminho do aeroporto. Este domingo, a jogadora portuguesa, que esteve ao serviço das polacas da Red Devils Ladies Chojnice, “passou o testemunho” às espanholas Madrid CFF, que venceram na final as russas Zvezda por 6-3.

Ao Lado F, apesar do 13.º lugar, alcançado depois do triunfo por 10-3 frente aos Nazarenos (anotou um golo e a luso-americano Luísa Meza bisou), Mariana faz um balanço positivo, face às características da sua equipa. “É sempre um privilégio jogar com as melhores do mundo de futebol de praia e poder aprender com isso. Temos de ter noção que a minha equipa é composta só por jogadoras amadoras, tal como nós portuguesas, ao contrário do ano passado, em que joguei numa equipa em que metade era profissional e a outra metade semiprofissional. Esse factor e a mentalidade que trazem a nível desportivo faz toda a diferença”, afirma Mariana.

Para a jogadora das polacas, foi importante ter jogado a liga local, na ótica de divulgação do futebol de praia português e aproveitar a Euro Winners para elevar a competitividade contra outros rivais com mais rotinas e que “vivem mesmo a sério”, de modo profissional do futebol. “Acho que devemos estar orgulhosos da minha equipa e das equipas portuguesas, porque tiveram uma excelente prestação e só fará com que o futebol de praia evolua a nível nacional e mundial. Ao participarem nesta prova, o nível do nosso campeonato vai subir e será mais competitivo”, aponta.

Sobre a equipa vencedora, Madrid CFF, Mariana nota que é um reflexo do trabalho realizado nos últimos anos. “Em 2019 disputaram a final, até foram do grupo onde estava com o Sótão e até vencemos. Elas tiveram dois reforços de peso, a brasileira Dani, a jogadora que vejo sempre ao mesmo nível fazendo os três períodos e uma atleta russa que é das melhores (Anastasiia Gorshkova). Foram muito boas a defender e atacaram sempre muito bem”, resume sobre o Madrid CFF que viu Alba Mellado ser a melhor marcadora do torneio com 14 golos em seis partidas.

Mariana defrontou a AD Pastéis, também rival na liga portuguesa

O foco agora passa pelo campeonato nacional, onde o Sótão, que defende, tem seis pontos em dois jogos. “Vamos tentar lutar pelo título, temos equipa para isso e vamos trabalhar para tal””, sublinha, tendo em mente outro sonho. “E ver se em termos laborais, consigo disputar o campeonato do Mundo, em outubro”, diz Mariana que ficou impossibilitada de jogar o campeonato espanhol, por não lhe ser concedida licença sem vencimento.

Fotos: Red Devils Ladies

Deixe um comentário!

Últimas NOTÍCIAS

AD Pastéis festeja título de campeão

Na reedição da final do ano passado, a AD Pastéis venceu o Sótão por 3-2 e ergueu o troféu de campeão nacional de futebol...

Recordes, recordes e mais recordes

Esta época, o futebol feminino bateu muitos e importantes recordes. A época começou com um novo acordo entre a UEFA e a DAZN para transmissão...

“Em união e garra ninguém nos vence”

A Seleção Nacional de futebol de praia terminou a primeira etapa da Liga Europeia com registo de duas vitórias (Chéquia e Itália) e uma...

Traídas nos penáltis

A Seleção Nacional de futsal feminina perdeu com a Espanha no desempate por penáltis a final do Europeu, em Gondomar, após a igualdade registada...

Fofó não sobe à I divisão

Decisão já expectável, o Futebol Benfica não vai participar na próxima edição da Liga BPI. Apesar de ter ganho a final do play-off, diante...

Subida do Fofó decidida na secretaria

O golo de Melany Fortes, que valeu a vitória do Futebol Benfica diante do Ouriense (1-0), pode nada valer. Na final, que decidia a...