Tal como o Lado F publicou há alguns dias, cabia à Federação Portuguesa de Futebol solucionar a problemática em redor de qual seria o adversário do Sporting na 3ª eliminatória da Taça de Portugal, pondo término a uma situação que começou com…um erro de inscrição de ficha de jogo conduziu a uma derrota administrativa na 1ª eliminatória atribuída ao Almada, que repescou as Meirinhas e seguidamente com a atribuição de falta de comparência às Meirinhas, que não se apresentaram na 2ª eliminatória para defrontar o Lusitânia de Lourosa no reduto deste.

Uma espécie de ‘efeito avalanche’ que levou a que os dias fossem passando até que no momento do sorteio faltava ainda conhecer-se o veredito final por parte da FPF, razão essa pela qual o adversário que saiu ao Sporting era ainda indefinido dado ainda conter o nome dos dois clubes, indicando que seria o vencedor do Lusitânia de Lourosa vs AR Meirinhas a receber a equipa verde-e-branca. Três dias mais tarde, o mapa de castigos emitido pelo Conselho de Disciplina da FPF decretou o resultado de 3-0 a nível administrativo, condenando o conjunto do município de Pombal a pena de derrota.

Meirinhas prometem recorrer e o Lusitânia preferiu não tecer qualquer comentário

Por via de o clube visitante não se ter apresentado no terreno de jogo no dia e hora marcados, à primeira vista a situação parece resolvida, pelo menos no que diz respeito à realização da partida. Com efeito, a partir do momento que este 3-0 favorável ao Lusitânia de Lourosa seja homologado, será mesmo este o adversário do Sporting no próximo dia 30, mas ainda assim o presidente das Meirinhas, Paulo Pereira, promete lutar até às últimas consequências para que a razão seja atribuída ao clube que lidera, tendo informado o Lado F que “infelizmente foi esse o desfecho, lamentável e vergonhoso.”

“Vamos analisar e entregar a situação ao nosso advogado. Não está fora de hipótese de vir a pedir mais esclarecimentos à FPF e uma indemnização” pelo prejuízo causado e o afastamento de uma competição na qual a AR Meirinhas foi desportivamente afastada (derrota por 2-1 com o Almada), repescada no último dia de dezembro e depois novamente castigada de forma administrativa por não se ter apresentado num encontro no qual, defende o dirigente, seria impossível ao clube poder acorrer. Diferente entendimento teve a Federação e dessa forma o Lusitânia prepara-se para receber o Sporting.

Relativamente à resolução desta situação, o Lado F procurou também obter uma declaração da parte do clube de Aveiro e da parte do Lusitânia que se viu, sem qualquer responsabilidade da sua parte, envolvido numa situação que ameaçava tornar-se morosa e criar ainda maior atraso e constrangimento à Taça de Portugal, a opção da sua técnica, Mara Vieira, passou por não tecer qualquer comentário sobre uma situação que o emblema que representa considera há muito encerrada, pelo que pretende assumir o seu lugar na receção ao leão.

Deixe um comentário!