Ainda em fase muito precoce, mas também a trilhar o seu caminho, está o futebol feminino em Moçambique, país onde existem também alguns talentos e um deles consiste numa carreira sólida tendo em conta os ainda pouco experientes 23 anos. Até 2019, Joaninha fez-se conhecer como um dos maiores valores do futebol entre as mulheres nessa nação lusófona, mas 2020 não foi amigo nem para Moçambique nem para qualquer prática desportiva mundial: a pandemia assumiu o controlo e não mais permitiu que a competição se desenrolasse no país.

“Tenho tido uma carreira muito sólida até agora e na qual pude ter muitas conquistas. Em 2020 joguei no Clube de Desportos Cosmos de Maputo, onde atualmente estou a jogar”…mas não literalmente, visto que o campeonato em Moçambique não está a decorrer e até agora Joana Inguana, Joaninha como é conhecida no seu país, continua à espera. “Os campeonatos foram interrompidos por causa da covid 19 desde Março de 2020, mas tenho treinado individualmente” e na expetativa de que o campeonato nacional feminino moçambicano possa então ter início.

Liga BPI já conta com uma moçambicana e Joaninha pretende seguir-lhe as pisadas

Joaninha assume papel de destaque na sua realidade, somando 64 golos oficiais nas quatro temporadas que leva ao serviço do Cosmos. Antes, já havia sido figura, ainda muito jovem, em campeonatos ao nível das camadas jovens e da cidade de Maputo e nesse seguimento a atleta sente-se pronta para outros patamares. Com efeito, Joaninha declara-se “ansiosa para que as coisas voltem ao seu estado normal, para poder voltar a jogar. Estar em outros patamares é um sonho, referindo-me a fora de Moçambique,” onde nunca competiu.

Ofertas de Portugal, revela, nunca teve, mas anseia para que essa possibilidade um dia se concretize. “Nunca tive, nunca fui colocada perante isso, mas sempre desejei,” o que a confirmar-se levaria a que aumentasse o contingente moçambicano na Liga BPI – ou nos restantes escalões – visto que no escalão principal o Atlético Ouriense tem Lúcia Leila nos seus quadros. Joaninha olha com muito interesse o percurso da sua compatriota e admite que seria importante para a evolução do futebol do país ter mais jogadoras a jogar fora, nomeadamente em Portugal.

As ambições desta atleta têm razão de ser: é também uma internacional por Moçambique e com uma média entre jogos e golos que dá nas vistas e que tem como objetivo manter. Pelo seu país, Joaninha contabiliza 12 golos em 8 internacionalizações, marca impressionante tendo em conta que joga como…médio defensivo: “sou médio (trinco) e tenho a capacidade de fazer qualquer posição,” uma mais-valia bem aproveitada pela sua equipa nacional, pela qual deixa claro que “o objetivo sempre é ganhar, ganhar com mérito” e colocar a sua seleção entre as melhores do continente africano.

Deixe um comentário!