Totalista no Amora, Joana Prazeres pretende corresponder “sempre da melhor forma”

Olhando ao lote de totalistas na equipa do Amora, lá se encontra a jogadora mais jovem do plantel, Joana Prazeres, com apenas 17 anos. Uma central que será uma figura do amanhã mas que já representa uma certeza para o presente e que atribui ao companheirismo com que foi recebia pelo grupo de trabalho a influência tão grande que está revelar, mesmo junto de jogadoras bem mais experientes a nível de idade e de presenças em patamares competitivos a nível sénior. Para a central, a idade não foi problema e muito menos inviabilizou que tivesse tantos minutos quanto a Liga BPI para já permite.

“Vim para o Amora com o intuito de evoluir, claro que ser a mais nova do plantel numa equipa tão experiente cria sempre dúvidas e receios mas o foco sempre foi trabalhar e dar o máximo todos os dias, fui muito bem recebida pelas minhas colegas que me têm apoiado sempre para que corresponda sempre da melhor forma,” assim elogiou humildemente o restante plantel que a ajudou a conseguir uma utilização que parece comprovar que terá valido a pena arriscar sair com idade júnior para uma equipa de primeira divisão, deixando de ter ligação com uma potência como o Benfica.

Joana encontra-se convicta de que está a colher os frutos. “Sem dúvida de que foi a escolha certa, tenho crescido e evoluído muito desde o início da época, sou uma jogadora muito mais competente hoje, muito fruto desta mudança e tenho a certeza de que vou tirar proveito desta experiência no futuro,” afirmou na véspera de defrontar o Marítimo, um adversário direto que tem jogado de três em três dias e venceu essas duas partidas ante Damaiense e Atlético Ouriense, podendo apresentar uma motivação a compensar o cansaço. Apesar de reconhecer qualidade ao adversário, a defensora não teme o que aí vem.

Desafio ante o Marítimo será a primeira de três finais por lugar entre os quatro primeiros

A jovem, que joga de forma consecutiva na principal competição de futebol feminino sénior em Portugal mas apresenta ainda idade júnior, não tem dúvidas de que o Amora se preparou da melhor forma para este adversário, que tem mostrado qualidade. “Como é normal, vir de uma série de vitórias é sempre algo motivador mas estamos muito cientes do que temos de fazer para lutar pela vitória. Temos trabalhado muito e bem para competirmos ao melhor nível. Respeitamos muito o Marítimo mas queremos muito continuar vivas no nosso objetivo,” garantiu, com convicção.

O caráter decisivo do encontro não é de forma alguma negado pela atleta que deverá, tal como em todas as anteriores jornadas da Série Sul, ocupar o seu lugar no eixo defensivo amorense. Joana Prazeres concordas com a análise de que esta partida poderá mesmo ser uma final para a equipa…assim como as que se seguirão – certo é que caso o Amora saia derrotado pelo rival madeirense, adversários como Estoril, Torreense e, claro está, o próprio Marítimo, podem destacar-se. “Sim, esta vai ser uma das três finais que temos, mas pensamos jogo a jogo,” define.

“Por isso, o foco agora é o jogo de amanhã, fazer o nosso trabalho e em conseguir o resultado que tanto queremos, depois sim pensamos no que poderá acontecer,” declarou a defensora que tudo fará para que o Amora não sofra golos, ‘meio caminho andado’ para garantir um sucesso que manteria a equipa da Margem Sul do Tejo bem colocada na sua missão de garantir um lugar entre os quatro primeiros e a consequente qualificação para a fase de apuramento de campeão nacional.

Imagem: Amora Futebol Clube – Futebol Feminino

Deixe um comentário!