Seleção B é acréscimo de preparação para Negrão

Com estatuto de titular no Famalicão e presença habitual nas Seleções Nacionais (jovens e não só), Maria Negrão considerou a Seleção Nacional B mais um complemento à sua notável evolução

Na véspera de realizar um jogo-treino com o Sp. Braga, no Estádio 1.º Maio, precisamente na cidade dos arcebispos, que representará o ponto alto do estágio inaugural da Seleção Nacional B, para colocar fim a mais um dia de trabalhos em Guimarães, foi uma atleta que apesar de ainda muito jovem já fez parte dos trabalhos da equipa principal. Esse é um dos aspetos que distingue Maria Negrão no grupo de trabalho, apesar de a talentosa jogadora do Famalicão ter preferido, em declarações publicadas esta tarde no site oficial da FPF, valorizar a importância de ter sido eleita para trabalhar ao serviço de Portugal.

Negrão, atleta de apenas 17 anos, fez saber que o estágio decorre tal como esperava e que considera um privilégio fazer parte do primeiro lote de convocadas de um novo escalão criado pela FPF para aproximar jogadoras com talento e potencial do patamar máximo que é a Seleção Nacional A. “O estágio está a correr muito bem, estamos todas bastante motivadas porque é sempre um prazer representar a Seleção Nacional, seja em que escalão for. Ainda para mais a Seleção B, que é um patamar acima daquele que muitas de nós estavam habituadas, que são as Seleções de formação”, como foi o seu caso.

Apresenta ainda idade júnior, mas esta centrocampista já demonstrou estar num patamar superior de maturidade e nesse sentido considera uma oportunidade preciosa para si poder continuar o seu desenvolvimento numa equipa também ela a dar os seus primeiros passos e que pode contribuir para que faça, a breve trecho, parte das escolhas para a seleção principal. Assim, define a Seleção B como “um espaço competitivo que me vai ajudar a adquirir certos conhecimentos de forma mais célere e que, mais tarde, irei aplicá-los numa eventual chamada à Seleção A. “

Com apenas 17 anos, Negrão disputa o título nacional e não tem estranhado a exigência

“É este o grande objetivo de todas as jogadoras e vai ajudar a que estejamos melhor preparadas quando a oportunidade chegar“, assim visualiza Maria Negrão, que já participou num total de 20 partidas ao serviço do Famalicão na presente temporada e por esse motivo completou, sem surpresa, um quarteto de atletas ligadas ao emblema minhoto que é também composto por Daniela Silva, Maria Miller e Mariana Campino num grupo que ‘assentou arraiais’ num local relativo próximo do clube no qual estas quatro atletas militam – Guimarães encontra-se a somente 30 quilómetros de distãncia.

Maria Negrão é tida como uma das esperanças do futebol feminino português e assume já papel de figura no Famalicão – afinal, foi determinante na temporada anterior na II Divisão, que resultou na promoção da equipa para a Liga BPI, na qual em função da qualidade pelo seu plantel passou de imediato a lutar pela conquista do título, e certamente aproveitará a Seleção B para voltar a ‘mostrar serviço’ num grupo que junta atletas de diferentes proveniências mas que tem sido harmonioso desde o início. Desta forma, a médio avança que “damo-nos todas muito bem.”

“Muitas de nós já se conheciam, porque já estiveram juntas nas Seleções de formação e isso ajuda bastante. Temos um ambiente de grupo fantástico e a nossa convivência no passado ajuda nas dinâmicas dentro e fora de campo” que, vinca a jovem atleta, se têm acumulado com o decorrer da semana e serão testadas já na manhã desta sexta-feira ante o Braga, uma equipa de reconhecida qualidade no panorama português que colocará a esta Seleção B a exigência e competitividade que buscam para mostrar a qualidade individual e coletiva deste grupo que sonha com a promoção à Seleção Nacional A.

Deixe um comentário!

spot_img
Últimas NOTÍCIAS