Talento colombiano entre as novidades do Braga

Sp. Braga iniciará a época de Atletismo com várias novidades recrutadas em outros clubes

Há já vários meses em suspenso em função da propagação da pandemia, o Atletismo nacional trabalha no sentido de regressar e na próxima temporada contará com várias potências a concentrar as atenções do público. Uma delas será, com toda a certeza, o Sporting de Braga que conta com este período de tempos difíceis para aproveitar a qualidade proveniente dos clubes de dimensão nacional como Benfica e Sporting, por imperativos financeiros ou excesso de recursos humanos, estão a libertar, sendo que no sector feminino são várias as novidades no Minho.

Desta forma, o Sp. Braga contará, em 2020/2021, com dois reforços provenientes do Benfica, a especialista de triplo salto Rose Djombate e a versátil Cíntia Silvestre, que compete nas diversas provas de velocidade, incluindo barreiras; desde o Sporting chega a velocista Cátia Carneiro e para além dos dois gigantes lisboetas os Guerreiros do Minho recrutaram num outro emblema nacional e no estrangeiro. Desta forma, Leonor Susana, atleta que compete na especialidade de salto com vara, foi recrutada ao Maia AC, e da Colômbia chegará a maior novidade entre todas as contratações.

Principal destaque remete-se para o maior talento da Colômbia na disciplina do lançamento do martelo

Quis o destino que Mayra Alexandra Gaviria tivesse tido duas anteriores possibilidades de dar a conhecer o seu talento em Portugal, tendo iniciado o ano de 2020 no Meeting Internacional de Lançamentos, que se realizou em Leiria em fevereiro…pouco antes de a competição ter sido cancelada, tendo no entanto mostrado potencial suficiente para regressar ao nosso país a fim de reforçar o Sp. Braga. Antes, em 2019, já havia alcançado um segundo posto na V Jornada de Lançamentos em Lovelhe, Vila Nova de Cerveira, enquanto se exibia como um dos maiores talentos na área do lançamento do martelo no seu país.

Na Colômbia, a lançadora venceu a Taça Nacional de Lançamentos e o Gran Premio Catherine Ibargüen, em Barranquilla, ambos em 2019, e no próprio continente sul-americano Mayra Gaviria alcançou quinto e sétimo lugares em duas etapas do Grand Prix do Sul e venceu o Campeonato Nacional Interclubes e o Grand Prix Internacional Ximena Restrepo, em Medellín, no seu país. Agora, com 23 anos, a atleta natural de Caquetá que estabeleceu o recorde nacional sub23 colombiano com uma marca de 65.63 metros em Bogotá em 2017 espera representar um exemplo para as atletas colombianas da sua geração.

Deixe um comentário!

spot_img
Últimas NOTÍCIAS

Escalões A e B do Torreense seguem a mesma estrada

Bem integrado no crescimento sustentado do futebol feminino em Portugal que se tem construído, como é necessário, a partir das bases, o Torreense pretende...

Filipa leva ao tapete com a esquerda

Foi na raça, sem desistir, que Filipa Morais recolheu um alívio da defesa do Damaiense e, indiferente à pressão das adversárias, disparou de pé...

À segunda, Catarina espera segurar a manutenção

Desde o primeiro dia de treinos na temporada, muita coisa mudou para o Gil Vicente, que não conseguiu evitar uma 1ª fase abaixo das...

O futuro a acontecer no futebol feminino

Esta época tem sido especial para aquela que é a principal competição europeia de clubes: a Liga dos Campeões feminina.  A eliminação do Lyon nos quartos de final, frente ao PSG, começou a desenhar...

Águila dá asas ao feminino na Colômbia

Na Europa, a cerveja ‘Águila’ será provavelmente conhecida por aquilo que é o seu produto: uma cerveja. Já na Colômbia, a marca é encarada...

Tatiana aconselha-se no campeão europeu

Serão poucas as jogadoras que poderão gabar-se de ter a respetiva carreira monitorizada e acompanhada pelo clube campeão europeu e menos ainda as que...