Mesmo após um ano que foi um rude golpe para o futebol de formação ainda assim o panorama internacional viu aparecer novos talentos para o futuro, tendo a UEFA detetado dez exemplos que poderão constituir destaque não só no ano civil já iniciado como no futuro a curto, médio e longo prazo. Assim, são vários os países representados, sendo que Portugal não é, ainda, um deles, ainda que haja muito e bom talento para desfrutar, sendo que a primeira destacada alinha no poderoso campeão europeu Lyon – a francesa Vicki Becho, de 17 anos.

Uma atleta que começou cedo a ser determinante para o sucesso de França quando com apenas 15 anos contribuiu a grande escala para a conquista das ‘bleues’ no Europeu sub19 em 2019, tendo passado a ser a única jogadora para além da ex-Bola de Ouro Ada Hegerberg a marcar na final de um Europeu sub19 em 2011 com a mesma idade. Já na Noruega poderemos encontrar Julie Blakstad, de 19 anos, que alinha no Rosenborg e com tão tenra idade foi considerada a jogadora jovem do ano para a Toppserien, a principal Liga do pais, e ainda fez parte da lista de nomeadas para o prémio absoluto.

De resto, Blakstad é já internacional A pela Noruega desde outubro, tendo alinhado os 90 minutos e estado em destaque na vitória por 1-0 sobre o País de Gales que teve o significado de carimbar o apuramento norueguês para o Euro 2022, no qual certamente não estará Haley Bugeja, que é internacional por Malta, seleção que falhou o apuramento para o certame mas que terá aqui a sua próxima grande estrela – com apenas 16 anos, alinha pelo Sassuolo em Itália e já assume os momentos maiores da sua equipa…e de que maneira!

A sua ação que resultou no triunfo por 4-0 na Geórgia, a 26 de novembro último e também numa partida referente à qualificação para o Europeu, resultou em simultâneo na primeira vitória fora de sempre do seu país a nível feminino e um recorde absoluto de precocidade já que Bugeja se tornou na mais jovem jogadora a alcançar um hat-trick num encontro de qualificação para um Europeu com apenas 16 anos e 205 dias, batendo uma marca que já vigorava desde 1997. Sem um recorde dessa monta, mais alguma idade e também muito talento descobre-se Lene Christensen, de 20 anos, pertencente ao Kolding.

Vários talentos espalhados por toda a Europa prometem uma nova geração feminina de luxo

Tal como as anteriores atletas referidas, cumpriu recentemente a estreia como internacional A, desta feita pela Dinamarca e também numa ronda de qualificação para o Euro 2022 defrontando desde logo a poderosa Itália, tendo estado em bom plano no 0-0 que garantiu a liderança do grupo para as nórdicas. Natural, desta forma, que Christensen se tenha referido ao encontro como “um sonho realizado” e que fez por merecer com o rendimento que tem tido no seu campeonato. Um pouco como acontece com Svenja Fölmli, mas na Suíça.

Aos 18 ano, esta atleta alinha no Luzern, sendo vista como uma das coqueluches desta nação que nos últimos anos se tem destacado no lançamento de jovens valores e Fölmli é mesmo uma aposta segura que é trabalhada desde os 13 anos na própria Academia da Federação Suíça, em Biel, na qual complementou características e se destaca pelos atributos técnicos e capacidade goleadora tendo como modelo no futebol masculino o francês Kylian Mbappé, que fez recordar quando não teve pejo em entrar na primeira equipa do Luzern com apenas 16 anos.

Próxima, na Alemanha, está Paulina Krumbiegel, de 20 anos, que conseguiu a proeza de ajudar a tornar o Hoffenheim num candidato ao apuramento para a Liga dos Campeões e se candidata a uma vaga na poderosa seleção do seu país no Euro 2022 já que Krumbiegel teve direito a estreia como internacional A em setembro e não precisou de muitas mais oportunidades para se estrear a marcar – fê-lo em novembro ante a Grécia. Também a Inglaterra tem a sua candidata a super estrela: Lauren James, de 19 anos, que compete no Manchester United.

Torna-se curioso perceber que tanto a equipa masculina como a feminina detém um(a) James. Se entre os homens existe o gales Daniel James, na vertente feminina Lauren James é mesmo figura…e desde bem cedo: treinava com os sub13 masculinos do Arsenal quando ainda tinha idade infantil e estreou-se como sénior entre as mulheres com apenas 15, o que a tornou desejada e alcançada pelo Manchester United, que criou o seu plantel feminino em 2018. Assim, foi com James na frente que as ‘red devils’ alcançaram o título da II Divisão inglesa logo na época de estreia.

Uma das jogadoras destacadas pela UEFA, Vicki Becho é uma das maiores promessas do fuetbol francês é já alinha no campeão europeu Lyon. Imagem: Damien LG

Boa parte destas jovens já fazem parte dos quadros dos melhores clubes europeus…e a jogar

Com Lauren James como uma das suas goleadoras, o United lidera mesmo a tabela da Women’s Premier League, uma das principais Ligas europeias e a procurar obter a importância da histórica Bundesliga na qual a islandesa Sveindís Jane Jónsdóttir, de 19 anos irá competir assim que termine o seu empréstimo ao Kristianstad por parte do Wolfsburg que certamente terá olhado com satisfação para a sua estreia enquanto internacional A ante a Letónia. Nessa partida, Jónsdóttir marcou ao fim de 8 minutos em campo e ainda chegaria ao bis…mas não se ficaria por aqui.

Dias mais tarde, foi a autora de um lançamento longo que permitiu ao seu país chegar ao golo e estabelecer o 1-1 ante a Suécia que se revelaria fulcral para qualificar a Islândia para o Euro 2022 e a levou então a ser contratada pelo Wolfsburg com contrato válido até 2024, tendo desde logo sido emprestada por um ano ao Kristianstad, que tal como o Wolfsburg se candidata a conquistar a Liga dos Campeões feminina. No Wolfsburg, a islandesa irá dividir balneário com Lena Oberdorf, da mesma idade e que disputou a final da Taça da Alemanha ante o clube pelo qual iria assinar.

A jovem não necessitou de muito tempo para se enquadrar no poderoso clube alemão pelo qual alinhou nas três partidas realizadas em agosto para dar por concluída a edição 2019/2020 da Liga dos Campeões, na qual o Wolfsburg chegou à final e foi derrotado pelo Lyon. Não se sagrou campeã europeia, mas fez o suficiente para integrar a primeira Equipa do Ano distinguida pelos seguidores do site da UEFA. Já em Espanha, Eva Navarro, de 19 anos, terá de aguardar mais um pouco para chegar a essa competição já que ainda atua no Levante.

No entanto, o facto de alinhar já pela terceira época consecutiva na equipa principal do Levante leva a que Navarro leva a que seja já opção para a seleção principal espanhola, pela qual marcou em novembro à Moldávia e promete constituir uma das goleadoras do futuro para uma geração espanhola liderada por Laia Aleixandri, do Atlético de Madrid, e que deverá dar muito o que falar num futuro não muito distante. Tanto Eva Navarro…como qualquer outra das atletas aqui referidas e o Lado F está certo de que num curto espaço de tempo haverá portuguesas a destacar. Apenas uma questão de tempo!

Imagem: Andy Scherrer

Deixe um comentário!